SOBRE O LÚPUS

TRATANDO O LUPUS DE FORMA NATURAL

Lupus é uma doença crônica auto-imune na qual o sistema imunológico ataca o próprio o tecido saudável do corpor e órgãos. Isso gera inflamação contínua, que pode afetar negativamente cada parte do corpo: coração, juntas, cérebro, rins, pulão e glândulas endócrinas. Os sintomas do lúpus podem se assemelhar à alterações na tireóide, doença de Lyme e fibromialgia, por isso pode ser bem difícil de diagnosticar.

Enquanto algumas pessoas com lúpus são capazes de levar uma vida bem tranquila e feliz, outros pacientes com lúpus sofrem com sintomas tão graves que podem ser até debilitantes em alguns períodos. O lúpus tende a gerar crises inesperadas, quando os sintomas ficam muito ruins por um período de tempo, seguido de períodos de remissão. Sinais e sintomas comuns de lúpus incluem fadiga, dores de cabeça, dores articulares (nas juntas), insônia, alterações gástricas e manchas vermelhas na pele que podem piorar com a exposição solar.

Demora alguns anos para o paciente ser diagnosticado de forma correta, às vezes o paciente acaba utilizando uma série de medicações diferentes que não resolvem o problema. As medicações utilizadas atualmente para tratar lúpus incluem corticosteroides, anti-inflamatórios não esteroidais para dor, medicamentos para tireóide e até reposição hormonal.

Embora muitos pacientes com lúpus não gostem dos efeitos colaterais dos medicamentos que eles tomam, a maioria acredita não ter outra escolha e estão desesperados para encontrar alívio dos seus sintomas. Felizmente, medicamentos naturais para lúpus, incluindo suplementos, atividade física, alimentação saudável e uma dieta rica em alimentos anti-inflamatórios pode ajudar a manejar os sintomas e melhorar a função imune, sem aumentar o risco para complicações.

QUAL A CAUSA DO LÚPUS?

O lúpus é uma condição inflamatória desencadeada por vários fatores que fazem com que o sistema imune ataque erroneamente o próprio tecido saudável do corpo. A causa exata do lúpus (e a maioria das doenças autoimunes) ainda não é está totalmente explicada pela medicina, mas os pesquisadores sabem que a genética e o estilo de vida desempenham um papel importante no desencadeamento da inflamação.

Possíveis causas de lúpus incluem reações alérgicas, virús, estresse emocional, disruptores endócrinos, desequilíbrios hormonais, disbiose, má digestão e intoxicação por metais pesados.

Fatores de risco para lúpus incluem:

  • Ter susceptibilidade genética e histórico familiar de lúpus ou outra doença auto-imune.
  • Ser mulher (90% de todos os pacientes com lúpus são mulheres)
  • Ter idade entre 15-45 anos; mulheres em idade fértil são de longe as mais propensas a desenvolver lúpus.
  • Ter uma alimentação pobre em nutrientes
  • Problemas gastrointestinais, incluindo hiperpermeabilidade intestinal;
  • Alergias alimentares ou sensibilidade alimentar
  • Exposição à toxinas
  • Histórico de infeções e outras doenças autoimunes

 ALIMENTOS QUE PODEM PIORAR O LÚPUS

Alguns alimentos podem contribuir com o lúpus e piorar os sintomas:

Glúten: Glúten é um tipo de proteína encontrado no trigo, centeio, cevada e na maioria dos alimentos à base de farinha. A intolerância ao glúten é comum pois muitas pessoas tem dificuldade para digeri-lo adequadamente, suas macromoléculas não digeridas podem entrar diretamente no sistema sanguíneo, gerando inflamação. O glúten também pode decepar a cabeça das microvilosidades intestinais, aumentar a hiperpermeabilidade intestinal, a inflamação e desencadear uma crise.

Gordura trans e gordura saturada: Estas gorduras são encontradas em comidas industrializadas e fast food e podem levar à inflamação e problemas cardíacos. Algumas pessoas com lúpus tem dificuldade em metabolizar gordura saturada, e por isso, deve limitar a ingesta de queijo, leite e derivados, carne vermelha, e alimentos processados/embalados.

Açúcar: O excesso de açúcar pode estimular demais o sistema imune e aumentar a dor.

Alimentos ricos em sódio: Como o lúpus pode danificar os rins, o ideal é manter os níveis de os níveis de sódio e de sal baixos, para evitar a retenção de líquidos, a piora do edema (inchaço) e o desequilíbrio de eletrólitos.

Álcool e cafeína: O álcool e a cafeína podem aumentar a ansiedade, agravar a inflamação, lesionar o fígado, aumentar a dor, causar desidratação e problemas para dormir.

Alguns legumes: Sementes de alfafa, vagem, amendoim, soja e ervilha torta contém uma substância que tem sido demonstrada em estudos, capaz de desencadear crises em alguns pacientes com lúpus (não em todos). Essa substância na realidade é um aminoácido chamado L-canavanina.

Também é muito importante evitar cigarros e drogas recreacionais. Elas podem piorar o dano aos pulmões e aumentar a inflamação de maneira muito significativa, levando à complicações e infecções.

COMO TRATAR O LÚPUS DE FORMA NATURAL

1) Dieta anti-inflamatória para tratar problemas gástricos

 Pesquisas demonstram que uma alimentação saudável, natural e não processada é fundamental para tratar o lúpus, pois ajuda a controlar a inflamação devido à má saúde intestinal, reduz o risco de complicações como doença cardíaca, aumenta a força, a energia e a disposição, além de reduzir os efeitos colaterais dos medicamentos.

Os melhores alimentos para lúpus, de forma geral, incluem:

Alimentos orgânicos, não processados: reduz a exposição à aditivos sintéticos, toxinas, pesticidas, agrotóxicos.

Alimentos crus: promovem uma alcalinização no corpo, reduz a inflamação e melhora a digestão.

Peixes: são ricos em ômega 3 que é super anti-inflamatório, por isso reduz a inflamação, risco para doenças cardíacas e dor. As fontes incluem: salmão, sardinha, atum, arenque, cavala e alabote.

Alimentos anti-inflamatórios (vegetais e frutas): Folhas verdes, alho, cebola, aspargos, abacate e frutas vermelhas. Estes alimentos são ricos em fibras, vitamina C, selênio, magnésio e potássio e ajudam a combater os radicais livres, reparar possíveis danos às articulações e diminuem a fadiga.

Certos alimentos também ajudam a aliviar a irritação, inflamação e a secura na pele que é comum no lúpus.

Alimentos que ajudam a hidratar a pele de dentro pra fora:

  • Abacate
  • Oleaginosas e sementes como chia, linhaça, nozes e amêndoas (também são fontes de fibras e ômega 3)
  • Óleo de coco e azeite
  • Peixes
  • Pepino e melão
  • Chá verde
  • Água

2) Exercícios

 De acordo com um estudo publicado no Journal of Arthritis Health Professionals Association, fazer exercícios de forma regular é importante para tratar lúpus por muitas razões. Praticar exercícios diminui o estresse, melhora a qualidade do sono, fortalece o coração e os pulmões, fortalece os ossos, reduz a dor nas articulações, melhora a flexibilidade e a amplitude de movimento, e diminui o risco de complicações. Pesquisas feitas pelo National Institute of Physical Activity and Sport Science na Espanha descobriram que a atividade física é uma ferramenta útil para melhorar o trabalho cardiovascular, reduzir anormalidades metabólicas, reduzir a fadiga e melhorar a qualidade de vida em pessoas com lúpus.

Uma vez que o Lúpus pode causar fadiga crônica, desequilíbrios eletrolíticos e anemia, é crucial começar aos poucos e não exagerar nos exercícios. Procure um médico e um professor de educação física, eles irão indicar os melhores tipos de exercício pra você.

3) Redução do estresse

 Pesquisadores demonstram que o estresse psicológico e emocional podem desencadear o lúpus (e outras doenças autoimunes) ou uma crise de lúpus, pois aumentam a resposta inflamatória. O lúpus eritematoso sistêmico também ser muito imprevisível e causar alterações no sistema nervoso central, o que leva a graves alterações psicológicas e ansiedade.

Diferentes tipos de analgésicos agem de formas diferentes para diferentes pessoas, então tenha em mente que você terá que fazer alguns experimentos até encontrar o que funciona no seu corpo. Muitas pessoas encontraram na oração, na meditação, ioga e acupuntura, tratamentos que valem a pena considerar, uma vez que eles têm inúmeros benefícios para o corpo e a mente. Outras maneiras de ajudar a controlar o estresse incluem passar tempo na natureza, ficar descalço, praticar técnicas de respiração, manter um diário, ler, juntar-se à um grupo de apoio, ver um terapeuta e usar óleos essenciais para a ansiedade.

4) Sono e descanso

 Estudos publicados no International Journal for Clinical Rheumatology demonstram que entre 53-80% dos pacientes com lúpus identificaram a fadiga como uma das causas primárias do lúpus. Sendo a fadiga um dos maiores obstáculos para a maioria doa pacientes com lúpus, portanto, garantir uma boa qualidade de sono todas as noites e também descansar durante o dia é muito importante.

A maioria das pessoas com lúpus precisam dormir pelo menos 8-9h todas as noites, e alguns também precisam de um pequeno cochilo durante o dia para poder manter as energias. Um problema real é a insônia que também pode afetar os pacientes com lúpus, às vezes devido aos níveis de ansiedade, mas também por dormirem por muito tempo de dia, ao invés de tirar um cochilo rápido de dia.

DICAS PARA MELHORAR A FADIGA CAUSADA PELO LÚPUS:

  • Tente dormir antes das 22h todas as noites.
  • Mantenha um ritmo regular de sono, organize seu horário de dormir e acordar, para regular seu ciclo circadiano e dormir com mais facilidade.
  • Durma em um local fresco, bem escuro, evite luzes artificiais de eletrônicos pelo menos uma hora antes da hora de dormir.
  • Permita-se continuar na cama por 10-15 minutos depois de acordar, para poder levantar com calma.
  • Consuma sempre um café da manhã farto para poder ter energia ao longo do dia.
  • Evite ou elimine bebidas com cafeína.
  • Tente praticar atividades físicas pela manhã para aumentar o ritmo cardíaco.
  • Faça uma lista do que você tem que fazer no dia, para poder se organizar e manter-se calmo, inclua algumas pausas durante suas atividades.

5) Proteger e recuperar a pele sensível

O lúpus eritematoso sistêmico é o lúpus que abrange uma grande gama de sintomas dermatológicos. Estudos demonstram que cerca de 90% das pessoas com lúpus desenvolvem erupções cutâneas e manchas, incluindo a clássica mancha em forma de borboleta, que cobre o nariz e as bochechas.

É possível desenvolver pequenas lesões na pele, vermelhidão, coceiras, descamação e um nível muito alto de sensibilidade à luz solar. No caso das lesões na pele, é muito comum pacientes relatarem que uma lesão acaba, e logo em seguida outra lesão começa a aparecer, ao mesmo tempo que sintomas como fadiga e dores articulares aumentam.

É importante proteger a pele de sustâncias potencialmente irritantes e também do sol se a pele começar a apresentar sinais de erupção cutânea, urticária ou vermelhidão.  Certas substâncias em produtos de limpeza e/ou produtos de beleza (como loções, detergentes, sabonetes e maquiagem) podem piorar a inflamação na pele e piorar a secura e a coceira.

Dicas para ajudar a recuperar e proteger a pele do lúpus:

  • Evitar a luz solar direta nos horários de pico, principalmente entre as 09h00 e as 15h00.
  • Usar protetor solar atóxico, com FPS 50 ou superior.
  • Usar óculos escuros e boné/chapéu.
  • Usar um umidificador de ar no quarto para manter a hidratação da pele.
  • Substituir produtos de beleza e de limpeza convencionais por produtos orgânicos, feitos com ingredientes naturais como óleo de coco, óleo de jojoba, manteiga de karité e óleos essenciais.
  • Evitar banhos muito quentes, preferir água morna.
  • Fazer banhos com aveia coloidal em pó para uma hidratação extra e lubrificar a pele logo em seguida.
  • Borrifar água mineral ou água termal na pele ao longo do dia.
  • Consumir quantidades adequadas de vitamina E, procurar seu nutricionista para ajustar a dose.
  • Evitar uso de antitranspirante, perfumes, hidratantes e loções perfumadas e maquiagem que contenha química.

6)Suplementos

Ômega 3: O EPA e o DHA no óleo de peixe são cruciais para reduzir a inflamação. Um estudo de 2016 em ratos fêmeas demonstrou que consumir DHA fez com que os sintomas do lúpus reduzissem 96%.

DHEA: Pode melhorar os sintomas, mas é necessário orientação profissional.

Vitamina D: Modula o sistema imune e reduz a depressão e a ansiedade. Também é fundamental para equilíbrio hormonal, pode cuidar da saúde óssea junto com o cálcio.

MSM: Anti-inflamatório natural que pode melhorar muito os sintomas gastrointestinais.

Chlorella e Spirulina: Algas super antioxidantes, geram alcalinização, contém eletrólitos, fortalece as funções renais e hepáticas e promove cura através de nutrientes.

Açafrão (Cúrcuma): Trabalha de forma incrível e similar à drogas esteroidais no combate da inflamação e da dor.

7)Tratar dor e inflamação naturalmente

Óleos essenciais e aromaterapia: Óleos essenciais para o lúpus incluem Olíbano (muito eficaz para a redução da inflamação, pode ser diluído em água, óleo ou em consumido em cápsulas). Óleo essencial de Immortelle (ótimo para o sistema nervoso e ajuda a reduzir reações autoimunes, pode ser consumido ou aplicado na região do pescoço), óleo de lavanda e gerânio (tratam a inflamação na pele, podem ser aplicados), óleo de gengibre (utilizado para problemas gástricos, pode ser utilizado internamente.

ATENÇÃO: Jamais utilize óleo essencial diretamente sobre a pele, é necessário diluir em algum outro óleo, porém, quem irá tratar disso é o dermatologista.

Alongamento: melhora a flexibilidade, pode ajudar a reduzir as dores articulares e melhorar a amplitude do movimento.

Banhos detox: Utilizando sais de Epsom (Sal amargo)

Acupuntura: Tratamento eficaz para dor de forma natural.

Massagem: Pode reduzir o estresse, rigidez muscular, dor e edema (inchaço).

IMPORTANTE:

Lembre-se que o lúpus é uma doença crônica, e os sinais podem aparecer e desaparecer.

Mesmo que você opte por medicamentos convencionais, os exercícios, a redução do estresse e a mudança na alimentação, de forma orientada por um nutricionista capacitado podem ajudar a manejar os sintomas e prevenir futuras complicações. Converse com seu médico e com seu nutricionista, não utilize nada sem orientação profissional.

BIBLIOGRAFIA:

AHN, Grace E.; RAMSEY-GOLDMAN, Rosalind. Fatigue in systemic lupus erythematosus. International journal of clinical rheumatology, v. 7, n. 2, p. 217, 2012.

AYÁN, C.; MARTÍN, V. Systemic lupus erythematosus and exercise. Lupus, v. 16, n. 1, p. 5-9, 2007.

BATES, Melissa A. et al. Silica-Triggered Autoimmunity in Lupus-Prone Mice Blocked by Docosahexaenoic Acid Consumption. PloS one, v. 11, n. 8, p. e0160622, 2016.

BRICOU, O. et al. Stress and coping strategies in systemic lupus erythematosus. Presse medicale (Paris, France: 1983), v. 33, n. 18, p. 1284-1292, 2004.

LANE, Nancy E. Vitamin D and systemic lupus erythematosus: bones, muscles, and joints. Current rheumatology reports, v. 12, n. 4, p. 259-263, 2010.

MONTANARO, Anthony; BARDANA JR, E. J. Dietary amino acid-induced systemic lupus erythematosus. Rheumatic diseases clinics of North America, v. 17, n. 2, p. 323-332, 1991.

OKON, Lauren G.; WERTH, Victoria P. Cutaneous lupus erythematosus: diagnosis and treatment. Best Practice & Research Clinical Rheumatology, v. 27, n. 3, p. 391-404, 2013.

RAMSEY‐GOLDMAN, Rosalind et al. A pilot study on the effects of exercise in patients with systemic lupus erythematosus. Arthritis Care & Research, v. 13, n. 5, p. 262-269, 2000.

www.mayoclinic.org

www.lupus.org

Sim, Deus se preocupa com o que você come. Ele nos deixou um grande jardim nesse mundo, com uma série de espécies vegetais e animais que contém todos os nutrientes necessários para nossa sobrevivência! Não coma de forma saudável só pq “a Nutricionista mandou”, nem para poder postar uma fotinho no Instagram provando que você come salada… Se vc for comer de forma saudável, faça isso para Deus. Glorifique à Ele em todos os aspectos da sua vida, inclusive sua alimentação.

DEPOIMENTO: INEZ CUNHA

Que orgulho essa minha paciente, Inez Cunha!
Em 3 meses de tratamento foram 9,3Kg eliminados‼️
Observe a redução das medidas: -5cm em cada braço, -11cm de cintura, -14cm de abdome, -12cm de quadril. Reduziu a glicose no sangue, NÃO precisa mais de insulina, reduziu os medicamentos,tem muita disposição, sente-se bem, não tem mais dores de cabeça nem problemas para dormir.
Parabéns, Inez!!!  Com muita garra e determinação você manteve o foco , conseguiu nutrir seu corpo de forma adequada e obter todos os benefícios de uma alimentação equilibrada e personalizada! Você é o #orgulhodanutri

CALDINHO DE CHUCHU COM ALHO PORÓ

0404

🌬Com esse friozinho , nada melhor que uma receita funcional, rápida⏱, fácil , saborosa e, super desintoxicante! Com poucas calorias e cheia de nutrientes!

O chuchu é rico em fitoquímicos antioxidantes, luteolina e apigenina, além de fibras e de ter baixo índice glicêmico!
O alho poró, além de delicioso, é rico em amido resistente, tem papel prebiótico, ou seja, alimenta as bactérias “boas” do intestino e melhora a saúde do nosso intestino! Além de causar muita saciedade! Prepara o print:

CALDINHO DE CHUCHU COM ALHO PORÓ

Ingredientes:
▫️2 alhos poró
▫️2 chuchus s/casca cozidos
▫️1 col. (chá) de manjericão
▫️1 col. (chá) de salsinha fresca picada
▫️1 col. (chá) de casca de limão ralada
▫️1 “pitadinha” de sal rosa ou marinho

Modo de Fazer:
Pique 2 alhos poró e refogue com 1 col. (sopa) de água. Reserve. Bata no liquidificador a base da sopa: 2 chuchus sem casca cozidos com os temperos, e derrame na panela com os alhos porós refogados. Ferva por  2 minutos e prove os temperos. Corrija se for necessário. Rende 2 porções!

Começou a segunda metade do ano! Que tal aproveitar para rever suas metas de 2017, agradecer  suas conquistas e se programar para o que ainda falta?
Obrigada, Deus!