DIA MUNDIAL DE COMBATE AO CÂNCER

cancer
O Dia Mundial de Combate ao Câncer foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para que em todo mundo as pessoas pudessem se conscientizar em relação à prevenção de todos os tipos de câncer, além de apoiar aqueles que sofrem com a doença.
Apenas 5-10% de todos os casos de câncer podem ser atribuídos à defeitos genéticos, e o restante, entre 90-95% se devem ao ambiente qual o indivíduo está exposto e seu estilo de vida.¹
Portanto, fazer mamografia todos os anos, exames de sangue e exames diversos é uma forma de prevenção?
Prevenir é antecipar as consequências de uma ação a fim de evitar seu resultado, corrigir e proteger.
Ou seja, de NADA protegem! É como ficar esperando o momento em que algo será detectado, esperar um problema aparecer, para que quando apareça, possa corrigi-lo! Isso NÃO É PREVENÇÃO!
E então como me prevenir???
Através da Epigenética, que é a ciência e o assunto médico mais pesquisado do mundo na atualidade, e infelizmente, desconhecido por grande parte dos profissionais e universidades do Brasil!
Para que vocês entendam melhor, suponhamos que em uma família o pai e o avô tiveram câncer de pâncreas. Acreditava-se que este indivíduo já estava condenado, muitos acreditam nisso e foi assim que aprendi erroneamente na Universidade.
A Epigenética é ciência que estuda o efeito do meio sobre a genética, ou seja, o que um indivíduo pode fazer durante sua vida que pode metilar (silenciar) um gene.²
Existem inclusive alguns suplementos que podem, comprovadamente, metilar genes específicos, isso significa que as substâncias contidas nesses suplementos podem fazer uma prevenção verdadeira do câncer!³
Agora, imaginem… se somos formados por mais de 100 trilhões de células, sendo que cerca de 50 milhões se renovam diariamente, e se o substrato para a formação dessas células são nutrientes adquiridos através da nossa alimentação…

QUAL SERÁ O RESULTADO DE UMA ALIMENTAÇÃO INADEQUADA?

Reflitam!

1)http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2515569/
2)Michael K. Skinner, Mohan Manikkam and Carlos Guerrero-BosagnaTrends in Endocrinology & Metabolism, Volume 21, Issue 4, 1 April 2010, Pages 214-222
3)M Fang, D Chen, CS Yang – The Journal of nutrition, 2007 – Am Soc Nutrition

DIA MUNDIAL DA CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO

autismo
O autismo é uma condição neurológica cuja incidência tem aumentado nos últimos anos. Os sinais do autismo podem ser percebidos a partir dos três primeiros anos de vida e afeta habilidades de interação e comunicação social, além de afetar a percepção do mundo ao seu redor. Há diversos graus de autismo, uns mais comprometedores que outros. O diagnóstico deve ser realizado por um Médico Pediatra ou Neurologista Infantil.
A novidade, é que estudos demonstram que a maior parte dos autistas tem desordens consideráveis no intestino, suas vilosidades são totalmente retraídas, o que impede a absorção de uma série de nutrientes. Por este motivo, a dieta do indivíduo com autismo afeta e muito o seu comportamento, confira:

CASEÍNA(leite derivados, como o queijo, iogurte, sorvete…)
Em uma dieta rica em caseína, autistas demonstraram piora. A notícia boa, é que existem alternativas mais apropriadas que podem substituir estes alimentos.

ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS
Alimentos industrializados podem piorar muito a condição do autista, devido ao seu alto teor de açúcar refinado, corantes artificiais, conservantes e aditivos diversos. Além disso, a substituição de alimentos processados pode melhorar a condição do autismo em crianças e adultos. Alimentos frescos, frutas, verduras e legumes são ótimos aliados.

ÔMEGA 3
Atualmente há milhares de estudos demonstrando que o ômega 3 pode melhorar sintomas do autismo e aumentar a capacidade de aprendizado. O ômega 3, se suplementado, pode ser consumido tanto em cápsula quanto em sua forma líquida. Nos alimentos, está presente principalmente em peixes marinhos, semente de chia e em diversas oleaginosas.

GLÚTEN (trigo, aveia, centeio, cevada…)
Pesquisas revelam que pessoas com autismo podem estar mais susceptíveis à toxicidade do glúten, e que grande maioria apresenta doença celíaca, que é basicamente a incapacidade de processar alimentos que contém glúten. Alimentos que contém essa proteína podem piorar o autismo.

Há muitos outros aspectos relacionados à Nutrição…